Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Debate: "Deus está de volta? Uma política pós-secular na Europa e no mundo"

Imagem Assembleia da República | Lisboa | D.R.

Debate: "Deus está de volta? Uma política pós-secular na Europa e no mundo"

O 8.º Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política, que decorre de 10 a 12 de março, em Lisboa, vai incluir a mesa redonda intitulado "Deus está de volta? Uma política pós-secular na Europa e no mundo".

«O tema do debate será a questão do regresso do factor religioso à política contemporânea em várias das suas facetas», refere uma nota enviada hoje ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Na sessão tomam parte os professores Michael Minkenberg (Viadrina, Alemanha), Paulo Fontes (diretor do Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica), Madalena Meyer Resende (Universidade Nova de Lisboa), Bruno Cardoso Reis (Universidade de Lisboa) e Helena Vilaça (Universidade do Porto).

Os cerca de 80 painéis e mesas redondas que constituem o programa do congresso, com a presença de vários docentes do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica, centram-se em questões como «as consequências políticas da crise económica, a qualidade da democracia, e os desenvolvimentos da política internacional mais relevantes da atualidade».

«A religião cristã e as outras religiões só podem dar o seu contributo para o desenvolvimento se Deus encontrar lugar também na esfera pública, nomeadamente nas dimensões cultural, social, económica e particularmente política», sublinha a encíclica "A caridade na verdade", de 2009.

O texto do papa Bento XVI realça que «a exclusão da religião do âmbito público e, na vertente oposta, o fundamentalismo religioso, impedem o encontro entre as pessoas e a sua colaboração para o progresso da humanidade», pelo que a vida pública se torna «pobre de motivações, e a política assume um rosto oprimente e agressivo».

«A Igreja não tem soluções técnicas para oferecer e não pretende de modo algum imiscuir-se na política dos Estados; mas tem uma missão ao serviço da verdade para cumprir, em todo o tempo e contingência, a favor de uma sociedade à medida do homem, da sua dignidade, da sua vocação», lê-se no documento.

O debate, aberto ao público, decorre a 10 de março, das 11h00 às 12h00, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (Av. de Berna, 26-C), edifício ID.

 

Rui Jorge Martins
Publicado em 03.03.2016

 

 

 
Imagem Assembleia da República | Lisboa | D.R.
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos