Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Deus é o melhor ouvinte que existe e «só quem sabe calar, sabe escutar», diz papa

Deus é o melhor ouvinte que existe e «só quem sabe calar, sabe escutar», diz papa

Imagem A and N photography/Bigstock.com

O papa recebeu hoje, no Vaticano, voluntários da linha "Telefone Amigo Itália", tendo sublinhado que «se houvesse mais diálogo, diálogo verdadeiro, nas famílias, nos ambientes de trabalho, na política, resolver-se-iam facilmente muitas questões».

Na intervenção, Francisco, citado pela Rádio Vaticano, realçou que Deus é o melhor ouvinte que existe e lembrou que «dialogar ajuda as pessoas a humanizarem as relações e a superarem as incompreensões».

«Só quem sabe calar, sabe escutar, não se pode escutar e falar ao mesmo tempo», acentuou, depois de se referir a um «contexto social marcado por múltiplos transtornos», como a «solidão» e a «desorientação», em cuja origem se encontram «muitas vezes o isolamento e a falta de diálogo».

As grandes cidades, continuou Francisco, «apesar de estarem sobrelotadas, são símbolo de um género de vida pouco humano a que os indivíduos se estão a habituar: indiferença generalizada, comunicação cada vez mais virtual e menos pessoal, carência de valores sólidos sobre os quais fundar a existência, cultura do ter e do aparecer. Neste contexto é indispensável favorecer o diálogo e a escuta».



«De cada vez que oramos, Ele escuta-nos, sem pedir nada e até nos precede e toma a iniciativa de acolher os nossos pedidos de ajuda. A atitude de escuta, de que Deus é modelo, estimula-nos a abater os muros das incompreensões, a criar pontes de comunicação, superando o isolamento e o fechamento no próprio pequeno mundo»



O diálogo, que permite reconhecer os melhores aspetos de cada pessoa, «é expressão de caridade porque, apesar de não ignorar as diferenças, pode ajudar a procurar e partilhar percursos tendo em vista o bem comum», e por isso, através dele, é possível «aprender a ver o outro não como uma ameaça, mas como um dom de Deus» interpelador e que pede para «ser reconhecido».

Paralelamente ao diálogo é imprescindível ouvir «o irmão e a irmã que precisam de ajuda», o que «requer paciência e atenção», frisou Francisco, antes de afirmar que Deus «é o exemplo mais excelente de escuta».

«De cada vez que oramos, Ele escuta-nos, sem pedir nada e até nos precede e toma a iniciativa de acolher os nossos pedidos de ajuda. A atitude de escuta, de que Deus é modelo, estimula-nos a abater os muros das incompreensões, a criar pontes de comunicação, superando o isolamento e o fechamento no próprio pequeno mundo», sublinhou.

Antes de concluir, o papa citou a frase «para fazer a paz no mundo, faltam os ouvidos, falta gente que saiba escutar, e daí vem depois o diálogo».

«Que ninguém fique isolado», apelou Francisco aos voluntários da linha de escuta telefónica e de apoio pela internet, «para que não se quebrem os laços do diálogo e para que nunca falhe a escuta, que é a manifestação mais simples de caridade para com os irmãos».



 

SNPC
Fonte: Rádio Vaticano
Publicado em 11.03.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos